Terça-feira, 15 de Janeiro de 2008
Precisam-se de mudanças e urgentes!
Saúde
Metade dos enfermeiros sem lugar meio ano após o curso 
Metade dos enfermeiros não conseguiu emprego na sua área de formação seis meses depois de ter terminado o seu curso, revela um inquérito feito pela Federação Nacional de Associações de Estudantes de Enfermagem (FNAEE) junto das cerca das 40 escolas de Enfermagem do país no final do ano passado.

Por ano saem das escolas de Enfermagem cerca de três mil licenciados. Porque não encontram emprego na sua área de formação, hoje é possível ver enfermeiros a trabalhar em lavandarias, caixas de supermercado, até como ajudantes de Pai Natal na última época festiva. E há quem tente não perder a prática frequentando intermináveis estágios profissionais não remunerados, afirma o presidente da FNAEE, Gonçalo Cruz.

Das respostas que obtiveram das escolas (19 responderam) é possível concluir que, a nível nacional, depois de três meses do final do curso, só 24 por cento tinham conseguido lugar. Após seis meses, eram 55 por cento. "O cenário geral até é positivo face aos casos particulares", continua o presidente da FNAEE. O mesmo é dizer que as médias de empregabilidade escondem situações piores, sobretudo no Norte do país, e também melhores, verificadas, por exemplo, em Lisboa, continua.

Mapa das escolas

A situação desigual encontra explicação no mapa da distribuição das escolas. Existem cinco para toda a Zona Sul, 12 na área de Lisboa e Vale do Tejo e 15 na Zona Norte. Não é por acaso que é no Norte que a situação de falta de emprego dos enfermeiros mais se agravou, defende.

No inquérito concluíram que, por exemplo, na Escola Superior de Enfermagem de Calouste Gulbenkian - Braga, dos 80 licenciados que saem por ano só cinco por cento conseguem emprego ao fim de três meses, número que sobe para 13 por cento ao fim de seis meses. Na Escola Superior de Saúde da Guarda, dos 40 licenciados, apenas quatro por cento estavam empregados três meses após o final do curso, número que era de 20 por cento passado meio ano. Na Escola Superior de Enfermagem de Viana do Castelo, aos três e seis meses a percentagem de desempregados mantinha-se inalterável: rondava 16,6 por cento dos recém-licenciados. Nas escolas da capital, o cenário, apesar de tudo, é mais risonho: 35 por cento conseguiram emprego ao fim de três meses e 80 por cento ao fim de um semestre a seguir ao curso.

O crescendo de escolas e vagas não parou desde o momento em que foi criada a licenciatura em Enfermagem, em 1999, diz Gonçalo Cruz. Metade são privadas e as propinas mensais podem oscilar entre os 350 e os 500 euros.

O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) estima que haja no desemprego 2500 enfermeiros e há 15 mil em formação, o que significa que "o problema vai agudizar-se", defende a dirigente sindical, Guadalupe Simões. "No mínimo, era preciso colocar um travão e diminuir o número de vagas". Defende ainda que a decisão de aumentar o número de enfermeiros, embora seja função do Ministério da Ciência e Ensino Superior, também convém ao Ministério da Saúde porque assim "desvaloriza o trabalho de enfermagem".

Desde a segunda metade de 2007 que um novo fenómeno é sintoma da situação da classe. A falta de emprego leva a que muitos profissionais tentem fazer voluntariado ou estágios não-remunerados, diz. "Alguns hospitais estão ilegalmente a recebê-los", sublinha Guadalupe Simões, explicando que os enfermeiros têm estágios integrados no seu curso, não precisam de mais, e assim os hospitais evitam admitir profissionais pagos. Ao mesmo tempo, com a quantidade tão grande de alunos nas escolas, começa a ser muito difícil arranjar-lhes "estágios com qualidade" integrados no curso.

O pior é que dados do Ministério da Saúde, de 2004, davam conta da falta de 21 mil enfermeiros nos hospitais e 12 mil nos centros de saúde, lembra a dirigente. Entre 2003 e 2007 em todos os hospitais foram admitidos apenas 1100 profissionais.
 
In 'Público de 14 de Janeiro de 2007


publicado por boneca às 15:48
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

Quinta-feira, 3 de Janeiro de 2008
12 badaladas

A minha passagem de ano foi passada entre familiares, com muita risada, palhaçadas de crianças, docinha e bem regada, como convém. Mas o melhor da festa aconteceu quando chegámos a casa e corpo a corpo, alma com alma, brindamos à nossa felicidade [não, não conto mais pormenores ;) ] Que este 2008 nos traga felicidade, amor e saúde, os três bens mais preciosos que podemos ter. Claro que se vier acompanhado de alguns eurinhos tanto melhor né? fico sempre ansiosa e esperançosa no passar de cada ano...

Está um temporal lá fora!!! A chuva bate contra as janelas ( e eu que andei em cima do escadote a limpá-las há 2 dias!!!), as árvores abanam desenfreadamente e eu aqui estou, de pijaminha e com o aquecedor ligado... bem bom! Encontrei umas imagens no meu ficheiro muito divertidas e aqui as deixo, porque nada melhor que sorrir...

 

 

 

 

 

 

 

 

 


sinto-me:

publicado por boneca às 17:03
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Sexta-feira, 21 de Dezembro de 2007
Natal...Natal...

e cá estamos novamente no Natal! é de mim ou este ano passou mesmo a 'voar'? depois da azáfama de montar o pinheiro (nunca me entendo muito bem no desenrolar das luzinhas... e pisca... e pisca...), fazer a lista dos presentes, fazer as compras dos ditos, fazer a lista dos docinhos a levar p'ra casa da mama e p'ra casa dos sogritos, confesso que já me sinto cansada! ufa! e ainda me falta comprar 1 prendinha (que este ano o dinheiro desapareceu da carteira- está tudo caríssimo!!!) e só posso dar 'prendinhas', para além de na véspera ainda ter que fazer os docinhos... bem, o melhor é nem pensar nisso! a sorte é k tenho a tarde de folga senão ia ser bonito... não havia doces p'ra ninguém! :)

mas nesta época natalícia, mais do que os presentes, mais do que a farta comida que pomos em cima da mesa, o que realmente interessa é aquele momento em que nos reunimos, olhamos uns para os outros, brindamos e desejamos que para o próximo ano tudo se repita novamente...

sentimos a falta de quem, fisicamente, já não se encontra connosco, mas sentimos também 'aquele' calor, daqueles a quem amamos. 

Que tenhamos todos um Santo Natal, com saúde, paz e amor porque é isto que realmente tem valor.

 Um brinde a todas as famílias, uma consoada docinha e regada com muita harmonia...


sinto-me:

publicado por boneca às 13:56
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Terça-feira, 11 de Dezembro de 2007
Diz que...

 

 Agradeço o prémio a enarot http://enarot.blogs.sapo.pt/ que muito gentilmente se lembrou desta casa de bonecas...

 

Regras:
1. Este prémio deve ser atribuído aos blogs que considerem serem bons, entende-se como bom os blogs que costuma visitar regularmente e onde deixa comentários.
2. Só e somente se recebeu o “Diz que até não é um mau blog”, deve escrever um post:
- Indicando a pessoa que lhe deu o prémio com um link para o respectivo blog;
- A tag do prémio;
- As regras;
- E a indicação de outros 7 blogs para receberem o prémio.
3. Deve exibir orgulhosamente a tag do prémio no seu blog, de preferência com um link para o post em que fala dele.
4. (Opcional) Se quiser fazer publicidade ao blogger que teve a ideia de inventar este prémio, ou seja – Skynet - pode fazê-lo no post).

Assim sendo vou indicar alguns dos blogs que visito:

- eu sou louco;

- vida de casado;

- café com sobremesas;

- ovo estrelado;

- super glamorosas

- o resistente;

- sidadania




publicado por boneca às 20:05
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

bonita história...

Dois homens, gravemente doentes, estavam no mesmo quarto de hospital.

Um deles podia sentar-se na cama durante uma hora, todas as tardes, para que os fluidos circulassem nos seus pulmões.

A sua cama estava junto da única janela do quarto.

O outro homem tinha de ficar sempre deitado de costas.

Os homens conversavam horas a fio. Falavam das suas mulheres,
famílias, das suas casas, dos seus empregos, dos seus hobbies, onde
tinham passado as férias...

E todas as tardes, quando o homem da cama perto da janela se sentava,
passava o tempo a descrever ao seu companheiro de quarto todas as
coisas que conseguia ver do lado de fora da janela.

O homem da cama do lado começou a viver à espera desses períodos de
uma hora, em que o seu mundo era alargado e animado por toda a
actividade e cor do mundo do lado de fora da janela.

A janela dava para um parque com um lindo lago. Patos e cisnes,
chapinhavam na água enquanto as crianças brincavam com os seus
barquinhos. Jovens namorados caminhavam de braços dados por entre as
flores de todas as cores do arco-íris.

Árvores velhas e enormes acariciavam a paisagem e uma ténue vista da
silhueta da cidade podia ser vislumbrada no horizonte.

Enquanto um homem descrevia isto tudo com extraordinário pormenor, o
outro fechava os seus olhos e imaginava as pitorescas cenas.


Um dia, o homem perto da janela retratou com tal pormenor um desfile
que ia a passar, que o outro até conseguia ver e ouvir a banda a
tocar...

Dias e semanas passaram.

Uma manhã, a enfermeira chegou ao quarto com a água para os seus
banhos, e encontrou sem vida, o homem perto da janela, que tinha
falecido calmamente enquanto dormia.

Ela ficou muito triste e chamou os funcionários do hospital para que
levassem o corpo.

Logo que lhe pareceu apropriado, o outro homem perguntou se podia ser
colocado na cama perto da janela. A enfermeira disse logo que sim e
fez a troca.

Depois de se certificar de que o homem estava bem instalado, a
enfermeira deixou o quarto.

Lentamente, e cheio de dores, o homem ergueu-se, apoiou-se no
cotovelo, para contemplar o mundo lá fora, fez um grande esforço e
lentamente olhou para o lado de fora da janela que dava, afinal, para
uma parede de tijolo!

O homem perguntou à enfermeira porque é que o seu falecido companheiro
de quarto lhe tinha descrito coisas tão maravilhosas do lado de fora
da janela.

A enfermeira respondeu que o homem era cego e nem sequer conseguia ver
a parede.

Há uma felicidade tremenda em fazer os outros felizes, apesar dos
nossos próprios problemas.

A dor partilhada é metade da tristeza, mas a felicidade, quando
partilhada, é duplicada.

Se te queres sentir rico, conta todas as coisas que tens que o
dinheiro não pode comprar.


' O dia de hoje é uma dádiva, por isso é que o chamam de presente.'




publicado por boneca às 11:50
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
|

Sexta-feira, 7 de Dezembro de 2007
arrendamento jovem

... mais valia, de uma vez por todas, afirmarem que querem terminar com o arrendamento jovem!!! como é possível só se poder efectuar candidatura com rendas máximas por município de tão baixo valor??? Se alguém souber de apartamentos disponíveis com rendas deste valor é favor avisar que eu conheço quem esteja interessado... enfim...

 
  T0 a T1   T2 a T3 T4 a T5
Grande Lisboa 340 550  680
Península de Setúbal 220 360   450
Alentejo Litoral 180 300 370
Alto Alentejo 150  240 300
Alentejo Central 180 300   370
Baixo Alentejo 180 300  370
Lezíria do Tejo 180 300 370
Algarve 220 360  450
Região Autónoma dos Açores 180 300 370
Região Autónoma da Madeira 220 360 450
Grande Porto 220    360 450

     

                                                        

        e o disparate das rendas continua na página da internet: http://www.portaldahabitacao.pt/pt/portal/... se o objectivo é incentivar a autonomia dos jovens, fazer com eles se emancipem e não permaneçam debaixo do tecto dos papás até aos 30 anos, então é favor reformular estas rendas porque assim não sei não...


sinto-me:

publicado por boneca às 11:38
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 8 de Novembro de 2007
É só clicar e ajudar!

O site do cancro da mama não está a ter o número de acessos e cliques necessários de forma a poder oferecer a mulheres desprivilegiadas uma mamografia.

Não custa nada! Basta aceder ao site http://www.thebreastcancersite.com , clicar e ajudar!!! Vão lá, cliquem e digam aos vossos amigos para o fazerem também!



publicado por boneca às 11:05
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quarta-feira, 17 de Outubro de 2007
cá estou eu

Ora depois de un interregno para fazer as minhas mudanças para o meu castelo com o meu príncipe cá estou eu novamente às lides bloguistas...

Tenho visto um sem fim de concursos abertos para enfermeiros, resta é ver se efectivamente as listas de classificação final vão ser as mais correctas... para bom entendedor...

O hospital da terra do bom peixe lembrou-se de exigir que todos os utentes lá façam as suas análises clínicas. Ora, o que vai ser do pessoal que trabalha nos postos de colheitas? será que vão todos fechar? se calhar sim, para engrossar, ainda mais, a vasta lista de desempregados deste país!

Só sei que a minha mãe vai ter que fazer as próximas análises, marcadas no próximos mês, no hospital. Diabética, tem prioridade face aos restantes utentes mas, concerteza, que não há-de ser ela a única diabética, ou grávida (que tb têm prioridade)... enfim, vou ver se tiro a manhã para a acompanhar porque ainda me fica estatelada no chão no meio daquela confusão. Ainda para mais é por ordem de chegada. Lá vamos nós de madrugada para ver se nos despachamos...

A nossa saúde está mesmo em fase terminal!



publicado por boneca às 11:21
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quinta-feira, 20 de Setembro de 2007
Esta vida
Hoje de manhã, estava eu a gozar a minha folga deitadinha no sofá e a fazer zapping pela tv, quando vejo, num programa da SIC uma menina de 22 anos a relatar a luta que ela teve perante 3 cancros. Corajosa, lutadora... uma menina com tanto ainda para viver mas muito, muito revoltada com a sociedade... com todos nós... porque somos cada um de nós que construimos a sociedade. Sim, é verdade que existem pessoas que estigmatizam aqueles que são 'diferentes', mas também não é menos verdade que depende de nós, na nossa postura face, quer à doença, quer aos outros, que esses mesmos outros nos olham de forma diferente. Compreendo tudo quanto ela disse no programa e tudo quanto ela escreveu no seu blog: http://lutapelavida.blog.com e compreendo porque, embora ainda aqui não o tenha dito, talvez por só agora ter surgido a oportunidade, eu tenha sentido e, por vezes ainda sinta aqueles olhares de quem não entende muito bem a diferença/deficiência do outro. eu escrevo aqui a palavra deficiência porque acho que não deve haver vergonhas em dizê-la. Pois bem, eu fui operada 22 vezes devido a um problema raríssimo com que eu nasci numa perna. a 1ª vez tinha 16 meses e daí em diante foi um fartote em cirurgias... A última das vezes tinha acabado de fazer os meus 20 aninhos e fui, por decisão minha, porque já não aguentava as dores e as limitações a que a minha perna me obrigava, amputada abaixo do joelho. Mas não pensem que me sinto mais limitada ou inferior, nada disso! Tento fazer tudo quanto posso da melhor maneira possivel. tirei o curso que sempre quis, sou enfermeira, vivo com uma pessoa que sempre me apoiou e demonstrou saber amar: porque às vezes é preciso mostrar que sabemos amar o outro e... tento ser feliz... encaro um dia de cada vez, umas vezes com um sorriso, outras vezes com uma lágrima mas... encaro sempre! "Pedras no caminho? Guardo-as todas... um dia vou construir um castelo!"


publicado por boneca às 19:31
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Sexta-feira, 14 de Setembro de 2007
Top de amamentação


Ao mesmo tempo que amamentam, as mães poderão estimular o cérebro dos seus bebés, vestindo para isso um top cientificamente desenhado para o efeito.

O novo top, criado na Universidade de Portsmouth, Reino Unido, incorpora os resultados das últimas pesquisas de desenvolvimento congnitivo infantil, ao apresentar padrões que estimulam a visão dos bebés.

Segundo o comunicado divulgado pela universidade, vários estudos indicam que os padrões com cores que contrastam, especialmente preto e branco, são melhor apreendidos pela retina, que envia sinais mais fortes para o cérebro. Isto aumenta as ligações neurológicas no cérebro e potencia o desenvolvimento cognitivo.

«O tempo da amamentação pode ser utilizado como uma sessão valiosa de aprendizagem e desenvolvimento cognitivo, nesta importante fase de desenvolvimento da criança», diz Heidi McLaughlin, uma das criadoras do top.

O top também foi desenhado para dar mais conforto à mãe, não necessitando esta de levantar toda a blusa para amamentar o bebé.

Para Lynn Timms, responsável por um serviço de apoio à amamentação, «a ansiedade, preocupação ou embaraço podem afectar as hormonas produzidas durante a amamentação e atrapalhar o processo. Este top, que permite às mães sentirem-se mais confiantes e relaxadas quanto à amamentação em público, permite assim que os seus bebés se sintam mais relaxados e satisfeitos».

  (In saude sapo)

 



publicado por boneca às 18:13
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

.mais sobre mim
.Janeiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. Precisam-se de mudanças e...

. 12 badaladas

. Natal...Natal...

. Diz que...

. bonita história...

. arrendamento jovem

. É só clicar e ajudar!

. cá estou eu

. Esta vida

. Top de amamentação

.links
.arquivos

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.links
.pesquisar
 
blogs SAPO
.subscrever feeds